1.jpg

Instituto Legado de Empreendedorismo Social [Estreia do Espaço Legado]


institutolegado

E se o seu dinheiro pudesse ter o melhor uso possível com a função de fazer o bem? O que faria? Para quem destinaria? Por onde você começaria? Como deixaria um legado?

Foram esses questionamentos e a inspiração por Muhammad Yunus que originaram em 2012 o que viria a ser o Instituto Legado de Empreendedorismo Social. Pensando que o objetivo era o melhor retorno social possível para cada R$ 1 aplicado, nossos fundadores, James e Glaucia Marins, deixaram de ser doadores para se tornarem investidores sociais.

Para planejar e colocar suas ideias em ação, chamaram Rodrigo Brito e Liziane Silva, pessoas que tinham vasta experiência com projetos sociais e à frente da INK. Grande parte dos empreendimentos convencionais fracassam por falta de planejamento e gestão, algo que também ocorre com as iniciativas sociais. Para esse último grupo, pergunto: onde podem buscar conteúdo? Existem ferramentas adaptadas para problemas sociais - tão complexos – considerando um ambiente tão dinâmico? Elas estão disponíveis e de fácil alcance? Existe um ambiente que propicie a troca de conhecimentos e melhores práticas entre esses idealizadores e gestores?

espaçolegado

A solução encontrada foi criar um projeto que visava selecionar iniciativas já implantadas, com resultados alcançados, e potencializá-las. Para isso, uma série de capacitações em temas de gestão seriam dados para que, estruturadas, fossem capazes de expandir seu impacto e concorrer a um prêmio de R$ 20.000,00 como estímulo para tal.

Estamos na terceira edição do Projeto Legado. Com 40 iniciativas capacitadas, 8 expansões de impacto financiadas, inúmeras ONGs e alguns negócios sociais, algumas percepções:

  1. grande parte dos empreendedores sociais não se reconhece - e nem são reconhecidos - como tal. Para eles, são pessoas que identificaram um problema para o qual implantaram uma potencial solução;

  2. a palavra “social” parece vir acoplada de voluntariado, assistencialismo, doação. O que leva a percepção de ser algo secundário à profissão, ter um objetivo pontual de curto-prazo e alto risco de insustentabilidade financeira.

Como poderíamos auxiliar nesse contexto e aprofund