1.jpg

4 princípios para negócios de impacto no Brasil


empreendedorismosocial

Ainda não há consenso quando a conceituação e atuação dos negócios sociais. Já tratamos um pouco sobre o assunto AQUI, AQUI e AQUI. Conhecidos também como negócios de impacto ou como empresas sociais, tais organizações buscam gerar impacto social por meio dos mecanismos utilizados pelas empresas tradicionais, tais como sustentabilidade financeira, inovação, competitividade e, claro, lucros.

Dentro desse amplo debate, quero apresentar uma iniciativa respeitável. Trata-se da Carta de Princípios para Negócios de Impacto no Brasil, dirigida pelo Instituo de Cidadania Empresarial (ICE) e pela Sitawi e apoiada por diversos atores do setor produtivo brasileiro, que foi divulgada em abril deste ano (2015).

O documento visa equalizar alguns conceitos e propor diretrizes para assim facilitar ações mais qualificadas e em uma mesma direção, apoiar o desenvolvimento de um ecossistema que promova negócios de impacto e finanças sociais e atrair de investimentos que possam ser utilizados nesses empreendimentos, conseguindo, assim, ampliar o impacto social por eles gerados.

A Carta adota o termo negócios de impacto e os define como “empreendimentos que têm a missão explícita de gerar impacto socioambiental ao mesmo tempo que produzem resultado financeiro positivo de forma sustentável”. Tais negócios são defendidos como “forma de intervenção socioeconômica, integrando os diferentes atores impactados ou impactantes, na busca de inovação, transformação social e performance financeira”. O documento então propõe uma espécie de princípios de verificação, cada um deles com graus de aderência, que as organizações podem verificar – ou se inspirar – para que se qualifiquem como negócios de impacto.

Vamos a eles:

(1) Compromisso com a Missão Social e Ambiental

Todos os documentos legais, bem como toda a atuação do negócio de impacto, devem externalizar o compromisso com a missão social e ambiental, evidenciando continuamente como suas operações geram (ou podem gerar) impacto na sociedade.

A Carta apresenta três graus de maturidade:

I. quando a organização explicita o compromisso no planejamento estratégico,

II. quando a organização inclui no contrato social/estatuto social o impacto que pretende gerar;

III. quando há comunicação sistemática e integrada a todos os públicos a respeito de sua missão social e/ou ambiental.

(2) Compromisso com o Impacto Social e Ambiental Monitorado

O impacto social e/ou ambiental pretendido deve ser constantemente monitorado e reportado a fim de gerenciá-lo e torná-lo efetivo.

O documento, neste item, detalha quatro níveis de maturidade:

I. explicitar impacto social e/ou ambiental pretendido bem como as métricas que serão utilizadas para medi-lo;

II. coletar e analisar dados para gerenciamento de resultados;

III. reportar de forma clara os resultados bem como a justificativa pelos níveis atingidos;

IV. ter os resultados auditados por organização externa e independente.